Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

THE BATMAN: ANALISE COMPLETA E FINAL EXPLICADO

THE BATMAN: ANALISE COMPLETA E FINAL EXPLICADO

THE BATMAN: ANALISE COMPLETA E FINAL EXPLICADO

THE BATMAN: ANALISE COMPLETA E FINAL EXPLICADO

The Batman é o melhor filme da franquia? Quais são os personagens que continuarão nessa franquia do Homem Morcego?

Se você deseja compreender tudo sobre esse novo filme The Batman, o que sabemos sobre o novo Coringa, explicação do final, as referências de tudo, continue a leitura dessa análise completa.

The Batman foi um bom filme se super-herois?

É importante falar que o filme está impressionante e fabuloso, de fato um filmaço do Homem Morcego com investigação do início ao fim. O filme traz novos elementos para essa história que todo mundo já conhecia, como a questão da Martha ter sido colocada em um hospital psiquiátrico, e diversos podres da família Wayne.

Isso vai ocorrendo em meio as conversas e investigações. Mais coisas sobre Alfred é revelada, como ele ja ter sido um agente especial e que ele ensinou o Bruce a lutar. Em algumas falas você compreende como ele aprendeu a lutar.

Conforme o filme vai fluindo, cada vez vai ficando mais claro e fácil de montar as peças e entendendo melhor o Batman de Matt Reeves, que de fato fez um excelente trabalho criando todo um universo noir.

Soube focar bem no lado investigativo do Homem Morcego, que nos quadrinhos é mesmo um dos focos do personagem: afinal, ele é “o maior detetive do mundo” – essa frase é até falada no filme.

Charada como vilão

O principal vilão é o Charada, a pegada de suspense investigativo era a melhor escolha mesmo. O universo que o cineasta criou para o personagem é bastante autoral. É notório que próprio Charada é muito diferente dos quadrinhos, ele é mais um psicopata mesmo nesse filme.

Não é sempre que o ator tem essa sinergia. Tem algumas situações estranhas, uma delas é quando ele tenta se passar por louco ou começa a gritar. No entanto, quando ele está em seu estado normal e dialogando, fica mais real tudo que está acontecendo.

O Paul Dano atuando como um Charada no estilo Jogos Mortais ficou interessante, ele consegue passar a impressão de um serial killer muito assustador, é realmente o que você precisa esperar de um vilão do Batman. Ele realmente é um vilão que consegue executar o seu plano e até vencer no final – de certa forma ele venceu. Mas em alguns momentos essa atuação de doido parece um tanto forçada.

E o Coringa?

Falando de atuação forçada: é preciso falar do Coringa. Para quem não sabe, tem uma cena em que o Charada e o Coringa interagem um do lado do outro, cada um em sua cela no Asilo Arkham.

A produção adotou a ideia do “fan service” de colocar o coringa para fazer uma charada, o roteiro ficou bom e faz muito sentido o personagem fazer isso, porem a cena foi muito mal atuada.

O ator que está interpretando o personagem Coringa é o Barry Keoghan (o mesmo que atua como o Druig, em Eternos, da Marvel). Por mais que ele seja um bom ator, ele atuou muito mal nessa cena, muito mal como Coringa.

Ele fica tentando forçar o trejeito, sua tonalidade de voz é inconsistente, força de mais a rizada e aí ficam os dois rindo. Horrível não pareceu o Coringa.

O Jared Leto teve o mesmo problema atuando como o Palhaço do Crime, mas foi menos pior do que nessa cena de The Batman.

O novo Batman!

Gotham do Matt Reeves está maravilhosa, as filmagens passaram muito bem a vibe gótica que o Batman sempre teve nos quadrinhos. Tudo sobre o Homem Morcego é para ser bem gótico mesmo.

Os edifícios com aquelas estatuas de gárgulas que o Batman fica em cima, a escuridão da cidade a noite, a Batcaverna cheia de morcegos, a mansão Wayne com arquitetura gótica… Visualmente é a melhor adaptação do personagem em diversos sentidos. Até porque a fotografia do filme é esta linda demais.

Sempre que o Batman aparece na tela, gera um impacto. Muita gente pode estar se perguntando se esse é o Batman mais fiel aos quadrinhos…

O lado detetive, toda a questão dele não demonstrar tanta expressão e ser um cara introspectivo também, isso é bem mais próximo dos quadrinhos.

Ao mesmo tempo, existe muita coisa que não é fiel. Da mesma forma que, em todos os outros Batmans também tinham muitos fatores que não eram fieis.

Ainda existe outro ponto, esse Batman de Matt Reeves está em um universo bem realista, tão realista quanto o universo do Nolan, até mais!

Então não esperem por um Batman super-ágil se movendo nas sombras, o Batman no universo do Matt Reeves é o mais próximo possível do realista, que toma muita porrada, leva muito tiro e apanha bastante.

Armas de fogo são uma ameaça muito grande para o Batman e para a Mulher-Gato. Quando ele vai usar o gancho é algo que demora e que precisa de uma preparação para o salto, da mesma forma que se teria na vida real.

Em compensação, a Mulher Gato é super-ágil e a Zoë Kravitz dá um show no papel.

Analisando o final de The Batman

No final do filme, Batman sofre uma mudança. De uma figura que colocava medo em todos, para uma figura de esperança para todos. Até porque, a ideia é colocar os criminosos como vítimas, eles são parte da sociedade e precisam de esperança, assim como a população comum.

Nesse contexto, tem a Mulher-Gato falando para eles irem roubar uns milionários quando o próprio Bruce é um bilionário. Inclusive, ele mesmo fala que, depois da inundação, o crime ia subir – então ele teria mais trabalho.

Ou seja, o filme puxa um debate social mas não define a lição moral disso tudo. Teoricamente, o Batman iria mudar, mas terá que continuar batendo em criminoso e vítima da sociedade.

Então fica um tanto confuso e, no final, parece que só queriam mesmo colocar no filme a questão do “Batman não sofreu tanto porque é rico e gosta de bater em vítima da sociedade na rua”.

Como já foi dito anteriormente, se você pegar o material original nas HQs, esse discurso não tem lógica e é até desrespeitoso mostrar o Batman dessa forma.

Tirando isso, The Batman é um filmaço, muito bem executado, um dos melhores filmes do Batman já feitos. Robert Pattinson realmente encarna bem um Batman em início de carreira.

Dá para ver a evolução dele ao longo do filme, porque é um Batman bem humano que fracassa muito, não só em luta, mas também como detetive, está sempre um passo atrás do Charada.

Ele fracassa com a família também, trata mal o Alfred algumas vezes até o mordomo quase morrer. Então, no final das contas, é um filme sobre um Batman que está aprendendo, amadurecendo, vivendo o processo de entender o que significa ser o Batman.

Realmente, já está tudo bem encaminhado para uma continuação de The Batman.

Credito: www.einerd.com.br

Deixe um comentário